O nosso Caminho de Santiago – dia 4

No dia 4 do nosso Caminho (Redondela – Pontevedra) pensávamos que já estávamos seguindo o ritmo… mas afinal não.

Saimos de Redondela ainda noite, para aproveitar a manhã, pois pelo que vimos o percurso é mais fácil de fazer desta forma.

Este percurso, de cerca de 18 km, atravessa duas elevações, ou seja, embora não pareça, elevou a dificuldade do caminho.
Mas até agora foi o percurso mais bonito de se fazer, pelas suas belíssimas paisagens. Primeiro a bonita paisagem da Ria de Vigo vista do ponto mais alto do Alto da Cabaleira.

Depois foi a descida até Arcade onde atravessámos uma interessante ponte romana (Ponte Sampaio) mesmo ao lado da praia fluvial. Neste caso o tempo nublado não nos deu vontade de ir molhar os pés.

A seguir foi a subir novamente, em Cacheiro. Esta subida foi única pois literalmente caminhamos em calçada romana até ao topo da elevação. Esta calçada romana nada mais é que a importante Via XIX, construída no século I d. C., que ligava Braga a Astorga através de Ponte de Lima, Tui, Pontevedra, Santiago e Lugo. Não é todos os dias que o podemos fazer.

Foi nesta parte do percurso que nos deparámos com uma ideia peregrina: um jovem empreendedor montou uma roulote de comes-e-bebes no meio do mato, junto ao caminho, com mesas e cadeiras. Claro que estas ideias são uma gratidão à alma, depois de algumas horas de caminho.

E o Caminho foi continuando, até certo ponto. Antes de Pontevedra escolhemos o percurso complementar do Rio dos Gafos. São estas alternativas que nos ajudam a fazer o percurso em mais segurança e de uma forma mais envolvente. Mais uma vez o ambiente de “Mundo de Narnia” marcou este caminho, muito mais agradável do que seguir na berma da estrada movimentada. Deixamos aqui esta dica.

Lá chegámos a Pontevedra.

Cidade lindíssima (pelo menos a parte antiga com aspecto medieval) onde encontrámos quase todo o comércio fechado. Porquê? Feriado nacional em Espanha.

Nesta localidade já tínhamos reserva num pequeno albergue de quartos e camas – “MORC”. Sinceramente não gostámos muito do sítio, mas tínhamos cama para dormir. A anfitriã bastante simpática, muito zen, respirava-se incenso por toda a habitação ao som de música esotérica. Mas não havia acesso a cozinha e a sensação de que estávamos a invadir propriedade privada era notória. Caso precisem… escolham outro local de estadia, e acreditem que Pontevedra tem muitos.

Sugestões:

– não percam a oportunidade de comer arepas no restaurante em Pontevedra, “Entre Dos Tierras”. Excelente atendimento, comida de conforto e um agradável licor de café;
– subir à cúpula do santuário da virgem peregrina de Pontevedra;
– apreciar os poucos pontos de oferendas peregrinas que aparecem pelo caminho;
– apreciar com carinho a pequena localidade de Arcade e o caminho romano que seguimos depois desta.
E o caminho da nossa vida… vai-se fazendo.
Um bom caminho, a todos.